quarta-feira, 26 de agosto de 2020

Cauny Legacy Black Gold Chronograph

 


Sobre a história da Cauny, o melhor será encaminhar os meus leitores para a página 18 da edição digital gratuita de junho de 2020 do Anuário Relógios & Canetas. Mas a versão curta é esta: a marca tem raízes suíças (e espanholas!), remonta a 1927 e foi especialmente popular em Portugal durante os anos 50 e 60. Depois de falir nos 70, em virtude da "crise do quartzo", a marca foi agora "ressuscitada" por uma empresa portuguesa.

Depois de meses de teasers, o resultado está finalmente à vista (e pronto para ser adquirido) no site da empresa. E, na verdade, parece-me interessante, com modelos claramente inspirados na estética que tornou a marca famosa há décadas, agora numa reinterpretação moderna e equipada -- sobretudo, mas não totalmente -- com os movimentos de quartzo produzidos no Japão que estiveram na origem da sua falência original. Ah, a ironia...  

Para falar da marca pela primeira vez, escolhi o modelo Black Gold Chronograph da gama Legacy. Não sou fã de caixas douradas, mas achei que esta nem era assim tão má, além de representar melhor a estética tão típica dos anos 60.

A Cauny é parca em informações técnicas sobre este relógio, mas pelo artigo do Anuário Relógios & Canetas, este cronógrafo de quartzo terá origem num movimento japonês. Esperemos que assim seja. De resto, a execução é bastante elegante e limpa, algo para o qual contribui o facto de ter sido decidido usar um movimento sem data (ou no qual a janela de data não foi "aberta" no mostrador).

A caixa, em aço com plaqué em ouro, mede 41mm de diâmetro e é protegida com vidro mineral revestido a safira, um detalhe que apreciamos e que contribuirá certamente para evitar discos no mostrador.

O preço? Uns razoáveis 185€, com compra a partir do site. Existe uma variante com mostrador em branco e caixa com acabamento convencional, por menos 10 euros.
  


quinta-feira, 20 de agosto de 2020

AVI-8 Hawker Hurricane Classic Chronograph AV-4011-01

 


Já aqui falei da AVI-8 há uns tempos, num post onde expliquei a sua origem e filosofia, pelo que não me irei repetir. Mas vale a pena voltar a olhar para a coleção da marca, que entretanto aumentou de forma significativa.

A marca continua a criar modelos inspirados nas glórias voadoras da Segunda Guerra Mundial e este belo cronógrafo não é exceção, tendo sido batizado com o nome do caça Hawker Hurricane, juntamente com o Spitfire (e o radar!), um dos protagonistas da batalha que evitou a derrota prematura das forças britânicas.

O movimento, não especificado, para além de sabermos que é "Made in Japan" (o que, na prática, significa que é provavelmente um Miyota ou um SII (Seiko) é um cronógrafo de três sub-mostradores com data às 3 horas.

Mas é o desenho do mostrador o que mais nos salta à vista, claro. Conheço muitos entusiastas que odeiam ver os numerais às 6 e às 12 horas semi-escondidos pelos sub-mostradores (como, de resto, acontece no meu Junkers com o movimento ETA Valjoux 7750), mas é uma solução de que eu, por acaso, até gosto bastante. O único numeral que foi completamente removido, substituído por um índice de formato triangular, foi o das 3 horas, onde encontramos a janela da data.

O resto do desenho respeita as convenções habituais dos relógios tipo "aviador", com numerais em fonte de grande visibilidade e ponteiros com tratamento luminescente. Uma escala taquimétrica interior completa as principais características do mostrador. 

A caixa em aço tem 42mm de diâmetro, resistência à água de 5 atmosferas e é protegida por vido mineral. Existem variantes com diferentes cores de mostrador, caixas e braceletes, todas em pele. O PVP desta modelo variante é de £165 mas, no momento em que escrevo, está em promoção por apenas £132. A aquisição é feita diretamente no site da marca e os portes são gratuitos para qualquer país.