quarta-feira, 27 de maio de 2020

Casio Edifice EFS-S510D-1AVUEF


Os leitores deste blog conhecem bem a gama Edifice da Casio, uma vez que tenho trazido aqui vários modelos desta gama de relógios elegantes da marca japonesa. Esta é uma gama que tem crescido bastante dentro da Casio, ao ponto de a marca ter agora várias sub-categorias, nomeadamente Bluetooth, Premium e Classic. 

Este cronógrafo que hoje trago ao blog pertence à gama Edifice Premium e tem a referência EFS-S510D-1AVUEF, disponível também com mostrador azul (Ref.ª EFS-S510D-2AVUEF) e começa por ter a particularidade de ser muito grande, algo que a foto, sem referência, não deixa transparecer: a caixa tens uns substanciais 52mm – ou seja, 10mm mais do que aquilo que, pessoalmente, me sinto confortável usar. No entanto, para quem goste de relógios grandes, mas se depare com uma escolha no mercado que nem sempre prima pela elegância, esta parece-me uma excelente proposta.

O relógio é muito bem desenhado e as proporções não deixam, de facto, perceber de imediato que estamos perante um relógio XXL. O movimento usado, de quartzo, é alimentado pela luz, o que significa que possui uma bateria interna recarregável que não necessita de ser mudada. Um indicador de nível de carga permite sabermos se é necessário expô-lo à luz para mantermos a autonomia.

O desenho inclui um bisel preto com escala de minutos/segundos que contrasta com o minimalismo do mostrador, o qual optou por índices para assinalar as principais posições horárias. Uma janela de data às 3 horas equilibra o desenho com os três sub-mostradores às 6, 9 e 12 horas.

A caixa em aço tem resistência à água de 10 atmosferas (100m) e a bracelete também em aço possui fecho de báscula com segurança para evitar a abertura acidental.

Deixei para o final a piéce de resistance: este relógio possui mostrador protegido por vidro de safira (!) e custa apenas 169€ na loja online da marca em Portugal. Pode ainda ser comprado por menos na Amazon Espanha: esta referência, com mostrador preto, custa 152€ e a variante com mostrador azul fica por apenas  142€

quarta-feira, 20 de maio de 2020

Seiko 5 SRPD51K1


A Seiko renovou recentemente a sua lendária gama Seiko 5 Sports com quase 30 modelos – muito embora todos eles sejam exatamente o mesmo relógio, com variantes no tipo bracelete, cor do mostrador e da caixa.

O modelo que vos trago hoje é o primeiro que surge na página da marca em Portugal relativa a esta coleção e é, quanto a mim, o mais bonito de todos – e estou certo de que leitores do meu blog encontrarão por lá um modelo de que gostem, com tantas variantes disponíveis.

O estilo, como se nota, é do típico "diver watch", ao qual não falta sequer o bisel rotativo unidirecional e a coroa deslocada para a posição das 4 horas, que faria mais sentido num relógio com uma caixa maior, do que neste, com 42,5mm de diâmetro – grande, mas não muito grande no contexto dos relógios de mergulho.

No entanto, este não é um relógio de mergulho, já que, como todos os outros Seiko 5, tem uma resistência à água de apenas 100m – eu não levaria para o mar ou até mesmo para a piscina, nada que oferecesse menos de 200m de resistência.

Tal como é habitual nos Seiko 5, também aqui encontramos o calendário com dia e data às 3 horas, cortesia do movimento Seiko 4R36, bem mais moderno do que o de Seikos desta gama de outrora, e que oferece funcionalidades adicionais, entre elas paragem de segundos para facilitar o acerto e possibilidade de dar corda manual para rapidamente repor a reserva de marcha.

domingo, 17 de maio de 2020

Waterbury Traditional Automatic 35mm Stainless Steel Bracelet



A última vez que falei aqui num Timex foi no início de 2019 – e, pela primeira vez, não foi para dizer bem. Hoje, volto a trazer-vos um Timex com movimento mecânico automático, mas já tenho razões para não ser tão negativo!

Começamos pelo final: o preço. O valor de referência de 249€, não sendo muito para um modelo com movimento mecânico, não é pouco para um Timex. Lamento, mas é mesmo assim – não só a marca nunca teve um posicionamento muito alto como, nos últimos tempos, tem até procurado posicionar-se mesmo na gama baixa, com muitos modelos abaixo dos 100€.

O que é novo aqui é que a marca terá percebido que quem (ainda) compra relógios, gosta sobretudo deles por serem mecânicos; relógios baratos de quartzo deixaram de ser tão apelativos como outrora e, provavelmente, a Timex consegue melhores margens com modelos mecânicos.

Este modelo tem o longo nome de Waterbury Traditional Automatic 35mm Stainless Steel Bracelet Watch e é um relógio concebido para o público feminino (que, por sinal, as estatísticas indicam preferir normalmente modelos de quartzo, mas a Timex lá sabe o que faz...).

Ao contrário do tal Marlin Automatic de que falei aqui há um ano, parece ter havido uma maior preocupação em oferecer um produto de alguma qualidade, pelo menos a julgar pela descrição e pelas fotos. Por exemplo, temos aqui vidro mineral (acrílico no caso do Marlin) e um mostrador muito mais cuidado, quer ao nível do desenho, quer do acabamento: a Timex garante ter usado madrepérola verdadeira no fundo, bem como doze cristais Swarovsky para assinalar cada uma das posições horárias.

O resultado apresenta-se numa caixa de aço com 35mm de diâmetro, resistência à água de 50m e bracelete igualmente em aço, que me parece francamente superior – pelo mesmo preço – ao Marlin Automatic a que fiz referência no ano passado. 


sexta-feira, 10 de abril de 2020

Swiss Military Ref. SM34027.05



O que pode ser mais suíço do que um relógio suíço? Um relógio suíço e um canivete suíço! A marca Swiss Military tem agora representação em Portugal através da SRI e não nos ocorre melhor forma de celebrar a chegada destas máquinas helvéticas e acessíveis ao nosso país do que através de uma edição especial da referência SM34027.05 numa caixa que inclui também um dos famosos canivetes multifunções.

Antes do mais, um pouco de contexto. Existe mais do que uma empresa com a licença para fabricar relógios com a marca licenciada pelo exército suíço. Os mais conhecidos são os Hanowa e os Victorinox.  A Wenger, marca que durante anos também teve licença para produzir "canivetes suíços" sancionados pelo exército da federação helvética, foi entretanto comprada pela Victorinox (em 2005) e ainda mantém uma linha de relógios independente, com a sua marca - mas, em rigor, não podem ser considerados relógios "Swiss Military". 

Este relógio Swiss Military que hoje vos trago pertence a uma família de máquinas oficialmente licenciada e produzida por uma empresa chamada Chrono AG que é efetivamente suíça, produz relógios na Suíça e utiliza exclusivamente movimentos suíços.

Uma das coisas que me agrada nesta marca, a à qual voltarei em breve para falar de outros modelos, é que apresenta um nível de qualidade elevado relativamente ao preço que cobra pelos seus relógios. Este modelo que hoje vos trago é um excelente exemplo. O que temos aqui é um relógio extremamente equilibrado, bem desenhado e... barato, na verdade. Quanto barato...? Bem... Quanto é que vocês estariam dispostos a dar por um relógio suíço, com movimento suíço, produzido na Suíça por trabalhadores suíços? Ah, e num pacote que inclui um canivete suíço? A resposta, no caso deste relógio, é 169€. Sim, cento e sessenta e nove euros. Já com IVA. Yep.

E o que temos por este preço? Um "três ponteiros" com caixa em aço de 44mm de diâmetro, resistência à água de 10 atmosferas, vidro mineral, um movimento Ronda 517 com dia e data às 3h00 e bracelete em pele. E um canivete suíço, claro! Se isto não é um relógio B3, não sei o que será um relógio B3...

quinta-feira, 26 de março de 2020

Citizen Eco Drive CA7040-85L

Descobri este relógio num post promovido da Citizen Portugal no Facebook. Na realidade, "descobrir" é o termo certo: o tal post (cheio de pessoas interessadas a perguntar qual o modelo e qual o preço, mas sem qualquer resposta por parte da marca...) não dava qualquer informação além de um paleio de marketing e da foto.

Pior ainda, o post era uma cópia traduzida de posts idênticos de subsidiárias da Citizen noutros mercados... que também não incluíam informação alguma sobre o modelo ou o preço.

Vai daí, decidi ir à procura. Trata-se da referência CA7040-85L da nova "Of colletcion 2020" da marca japonesa. Como dá para perceber de imediato, o mecanismo usado oferece complicação de cronógrafo com data às 3 horas. É um movimento de quartzo Eco Drive B642, alimentado pela luz (solar ou artificial).

A execução é muito bonita: caixa e bracelete em aço, vidro mineral, resistência à água até 100 metros e proporções muito interessantes, num diâmetro de 41 mm. A cor azul é particularmente feliz, embora não o tenha visto ao vivo e as fotos possam enganar. Mas o resto do desenho é, também ele, muito bonito: gosto sobretudo do desenho do mostrador, tipo "aviador", com ponteiros de dimensões generosas e numerais de boa legibilidade em todas as posições horárias exceto às 12, 3 e 6 horas.

O preço é... uma agradável surpresa. Perante as insistentes perguntas no tal post do Facebook (deixada sem resposta pela marca) sobre qual seria o preço deste modelo, havia quem sugerisse algo em torno dos 400 euros. A realidade é bem melhor: o PVP de referência indicado pela Citizen Portugal é de 199€.

Os interessados poderão comprá-lo por cerca de 180€ na Amazon Espanha.

sexta-feira, 3 de janeiro de 2020

Christopher Ward C3 Grand Tourer

A par da germânica Steinhart, a marca britânica Christopher Ward sempre foi uma das minhas representantes favoritas de uma nova vaga de marcas com propostas de alta qualidade e preço razoável, em parte conseguido à custa de um modelo de negócio de venda direta através da Internet.

Infelizmente, como já por diversas vezes referi a propósito da CW, neste caso os preços têm vindo a aumentar à medida a que a marca tem ganho prestígio – um pecado que a Steinhart, até agora, tem evitado.

Não quero com isto dizer que todos os modelos britânicos tenham deixado de ter um preço interessante, mas que isso acontece em muitos deles é algo que uma visita ao site da marca pode confirmar cabalmente.

Felizmente, ainda há algumas peças interessantes – embora não necessariamente baratas. É o caso deste belíssimo cronógrafo de inspiração vintage, o C3 Grand Tourer, com um mostrador cujo desenho a marca garante ter sido inspirada nos instrumentos dos Aston Martin dos anos 60.

 O relógio é, de facto, muito bonito, com uma caixa cujo diâmetro de 39mm começa a surgir com frequência e que de certa forma indica que há, pelo menos aparentemente, um retrocesso face aos exageros dos últimos anos em termos de tamanho do mostrador.

Este modelo é perfeito para entrarmos com o pé direito em 2020 porque, na realidade, ainda não está disponível – a marca indica a possibilidade de pré-encomenda em janeiro para a maioria das diferentes referências, criadas a partir da conjugação de três cores de mostrador (verde, azul e bege) com braceletes em aço (malha milanesa) e pele de cor preta ou castanha.

O movimento usado é de quartzo, o suíço Ronda 5021.D, e a execução é do habitual nível (elevado) da CW, com vidro de safira numa caixa que a marca apelida de "light catcher" e que incorpora uma tampa em aço com baixo relevo e poussoirs para o controlo das funções cronográficas em forma de pistão.

O desenho do mostrador é bastante equilibrado, com os dois sub-mostradores do cronógrafo colocados nas posições das 3 e 9 horas (em vez das posições de referência do movimento, mais habituais, às 12 e 6 horas) equilibrados com a janela de data às 6 horas. Os numerais, ponteiros e índices têm todos tratamento luminescente.

O mostrador tem ainda duas escalas adicionais: uma de minutos/segundos para uma melhor leitura de tempos intermédios através do cronógrafo; e uma escala taquimétrica, interna, no extremo da circunferência.

O preço para tudo isto é de 495€ (600€ para as versões com bracelete em aço), com portes grátis para todo o mundo. Como disse no início, não é barato, mas é o que acontece quando a nossa marca ganha valor e esse valor é valorizado pelo cliente...

quarta-feira, 1 de janeiro de 2020

Steinhart Nav.B-Chrono 47 Baumuster B Grey Edition


Não é frequente mas, de vez em quando, surge um relógio que me faz parar e olhar com atenção – e, depois, ficar a pensar que o próximo passo seria tê-lo no meu pulso! Este novo modelo da marca alemã Steinhart, de que tanto tenho falado desde os primeiros momentos deste blog, é um destes relógios.

O Steinhart Nav.B-Chrono 47 Baumuster B Grey Edition começa por estar no topo do que considero ser "B3" (a regras deste blog definem os 1000€ como teto máximo), uma vez que custa uns substanciais 990€. No entanto, justifica este valor pelo facto de ser baseado no (já de si caro) movimento cronógrafo ETA Valjoux 7750, aqui numa execução premium e ainda melhorada com o tradicional acabamento da marca, nomeadamente um rotor dourado com o logótipo da Steinhart.

Mas o que realmente distingue esta máquina do enorme mar de cronógrafos baseados no Valjoux 7750 que podemos encontrar por aí é a originalidade do desenho e a forma como o mecanismo foi implementado.

Se olharem com atenção, o que mais sobressai é o mostrador tipo "B", em que os principais numerais da escala são os dos minutos/segundos – aqui graduados de 5 a 55 – e que é uma implementação típica nos relógios ditos de "navegador" (e não de "piloto", como muitas vezes lhes chamamos) que tiveram origem na Segunda Guerra Mundial e eram usados pelas tripulações dos bombardeiros alemães.

De forma a ir ao encontro do desenho original mas sem desperdiçar as complicações oferecidas pelo 7750, a Steinhart tomou algumas decisões interessantes, nomeadamente usar apenas os sub-mostradores correspondentes à funcionalidade de cronógrafo (às 6 e 12 horas) e dispensar o mostrador de pequenos segundos que esta máquina costuma oferecer às 9 horas.

Outra simplificação passa pela utilização apenas do disco do dia do mês (aqui, às 6 horas), quando este é um movimento que inclui também um disco de dia da semana, ambos tradicionalmente visíveis na posição das 3 horas.

Mas a originalidade do desenho da Steinhart não se fica por aqui. Seguindo as diretivas dos desenhos de mostrador "Tipo B", o relógio inclui uma escala concêntrica para as horas, cuja leitura é facilitada pelo ponteiro respetivo, encurtado de forma a apontar corretamente para as posições horárias. O desenho inclui ainda escala taquimétrica inscrita internamente, em torno do mostrador.

A caixa é pouco grande para o meu pulso (47mm), mas o resultado é francamente bom, com uma execução de elevado nível que inclui vidro de safira e uma caixa em aço de cor cinza particularmente bonita. Nota final para a coroa com cortes diagonais de belo efeito e poussoir de arranque do cronógrafo em vermelho.