domingo, 21 de junho de 2015

Quanto custa? Onde comprar?

Os meus leitores perguntam-me frequentemente onde adquirir os relógios de que falo. A questão é importante, uma vez que a maioria dos modelos que menciono foram encontrados por busca online e eu não tenho forma de saber – salvo raras exceções – quais as lojas portuguesas onde efetivamente é possível encontrá-los.

No entanto, tenho sempre o cuidado de indicar o preço, quanto mais não seja porque neste blog o preço é muito importante: relógios que custem mais de 999 euros são relegados para a secção 1K+ e, na esmagadora maioria dos casos, os modelos de que aqui tratamos são muito mais acessíveis.

Ora quanto a preços, tenho normalmente duas fontes: os websites oficiais das marcas (é o que acontece quando falo de "preços de referência"), nos casos em que estes lá sejam indicados; e, na ausência destes valores de referência, faço buscas em lojas online.

Estas buscas são feitas inicialmente via Amazon ou, para sermos mais exatos, nos websites europeus da Amazon, uma vez que há menos problemas de envios, IVA, desalfandegamentos, etc. Em raras ocasiões, poderei referir preços que foram obtidos via Amazon dos EUA. Só muito raramente refiro preços obtidos online em lojas que não seja a Amazon ou de lojas que vendem dentro da Amazon.

A preferência pela Amazon tem a ver com a minha experiência pessoal. A Amazon é a referência absoluta no que diz respeito ao serviço ao cliente e quem vende lá dentro é obrigado a cumprir com as mesmas regras, pelo que a segurança na compra é muitíssimo boa. Ao longo de mais de 20 anos de compras na Amazon (sim, comprei lá pela primeira vez em 1995!), nunca tive qualquer problema – e, quando tive, o problema deixou de o ser porque foi prontamente resolvido.

Escrevo-vos sobre este tema porque decidi que, a partir de agora, irei inclui no final de cada artigo – sempre que tal seja possível – um link direto para a loja da Amazon onde encontrei o produto à venda. Os links que usarei serão da Amazon.com, Amazon.co.uk, Amazon.es, Amazon.de, Amazon.fr e Amazon.it.

Quero que saibam também que estes links terão embebido um código que permite, caso o relógio seja adquirido dessa forma, que eu receba uma comissão da Amazon – mas o preço que pagarão será sempre igual ao que pagariam se fizessem o acesso direto à loja.

Como sabem, este blog não tem publicidade e, tirando o prazer que me dá escrever sobre relógios e partilhar as minhas descobertas convosco, não tenho aqui qualquer outra fonte de receita, direta ou indireta.

Mas deixo desde já uma advertência: pessoalmente, desde que encontre o relógio que procuro numa loja física, é sempre aí que prefiro comprá-lo e aconselho-vos a fazer o mesmo. Não só o preço dos relógios não varia por aí além (enfim, quase nunca...), como é bom experimentarmos o relógio no pulso. Escrevi sobre esse tema já há algum tempo, aqui.

2 comentários :

  1. Boa tarde! Descobri o seu blog recentemente e estou lendo praticamente todos os posts sem parar, pois é um tema que também me agrada bastante!!
    Olha, costumo comprar na Amazon.es (não me recordo o motivo) e também nunca tive nenhum problema de entrega, mas gostaria de saber se também posso comprar na Itália, Alemanha e principalmente na Inglaterra, da mesma forma e com a mesma tranquilidade de entrega que eu compro nos nossos vizinhos espanhois?
    Existem algumas ofertas que realmente são diferentes nessas lojas (modelos).
    Muito obrigado por essa leitura em tempos de quarentena!! E por favor, continua!!!!

    Abçs,

    Leo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Leo. Obrigado pelo feedback - e desde já as minhas desculpas pela resposta tardia (o comentário ficou na lista dos "pendurados" para aprovação). A resposta à sua questão é SIM.
      A única diferença das outras lojas europeias face à de Espanha é que a Amazon.es (desde que compremos *mesmo* via Amazon e não através de uma outra empresa que esteja a usar a plataforma da Amazon) tem portes grátis para Portugal.
      Quanto a preços, por vezes vale a pena procurar o mesmo relógio noutras regiões (desde que sejam na Europa, para evitar problemas com alfândega) porque os valores podem variar e até compensar o facto de não ter portes grátis.

      Eliminar