terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Casio G-Shock Full Metal 5000


Entre o final dos anos 70 e meados dos anos 80 tive relógios de quartzo. Por acaso não foi nenhum Casio (foi um Seiko e um Citizen) mas podia ter sido. Estavamos numa era de entusiasmo pela nova forma de ver as horas (e, soube eu mais tarde, de desespero para a indústria relojoeira suíça...). No meu caso, foi um entusiasmo de relativa pouca duração.

Hoje, todos os meus relógios são analógicos e, na sua maioria, mecânicos. Ou seja, nem digitais nem com pilhas... :-) Mas, depois de ver este novo modelo da gama G-Shock da marca japonesa, confesso que sinto que podia facilmente abrir uma exceção.

São 500 euros de relógio, é verdade (o PVP oficial em Portugal é de 499€; o preço de referência nos EUA é de 500 dólares), mas caramba... Se este modelo não me faz tremer de nostalgia, não sei o que fará.

A referência oficial é GMWB5000D-1, mas estou certo de que todos os irão conhecer pelo nome bem mais sugestivo que a Casio lhe deu: Full Metal 5000. A inspiração para esta máquina foi o primeiro modelo da gama G-Shock, o DW5000C, lançado em 1983, mas a Casio não se limitou a fazer uma reedição: este é um relógio cheio de tecnologia do século XXI, incluindo conectividade Bluetooth, acerto automático a partir de relógios atómicos e célula de energia recarregável através da luz.

A caixa em aço, com acabamento escovado e polido, tem uns substanciais 49mm de largura e resistência à água de 20 atmosferas – não fosse este um G-Shock feito para durar.

Em Portugal, está desde já à venda na loja Mercadora 172, em Lisboa.



quinta-feira, 1 de novembro de 2018

Relógios do Quotidiano no Grande Prémio de Relojoaria 2018


O Grande Prémio de Relojoaria do Anuário Relógios e Canetas tem este ano a sua segunda edição e, tal como no ano passado, é possível a qualquer pessoa votar para a categoria da Escolha do Público.

Há 21 relógios em competição (3 para cada uma das 7 categorias a concurso), mas a única que nos interessa é a dos "Relógios do Quotidiano", uma tradução portuguesa para o que no setor se costuma designar de "daily driver": uma peça não muito cara que usamos no nosso dia-a-dia sem preocupações de maior.

Os requisitos desta categoria são apenas dois: o preço tem de estar abaixo dos 1000 euros e o movimento usado deverá ser mecânico.

A votação para a Escolha do Público pode ser feita aqui (em qualquer peça, e não necessariamente nestas três que aqui vos apresento). Eis as três peças a concurso na categoria Relógios do Quotidiano:

Seiko Prospex Save The Ocean


A marca japonesa apresenta a concurso o modelo Save The Ocean da gama Prospex, na tentativa de repetir o êxito do ano passado, em que ganhou efetivamente a Escolha do Público com um relógio semelhante.

O modelo deste ano é virtualmente igual ao que ganhou o ano passado, pelo que não me vou alongar em detalhes, uma vez que podem consultar o link aqui. A referência a concurso em 2018 é a SRPC93K1, cuja principal diferença reside no seu (muito bonito) mostrador (e bisel) azul. O preço de referência é da ordem dos 400 euros.


Meia Lua Inception


O segundo concorrente à categoria de Relógio do Quotidiano é português. Trata-se do modelo Inception Deep Moon Black da Meia Lua.

Não me vou alongar muito na descrição porque tenho agendada uma análise aprofundada deste modelo, que a marca se disponibilizou a enviar para teste. 

É um relógio cujo principal argumento é a relação preço/execução: apenas 329€ por uma máquina equipada com um movimento automático Miyota, caixa em aço com revestimento PVD e vidro de safira com tratamento antirreflexo. O relógio tem acabamento duplo: escovado na caixa e polido no bisel.

Outro aspeto típico de um microbrand mas que contribui para valorizar o relógio é o facto de se tratar de uma edição limitada a apenas 75 unidades. Pode saber mais sobre a Meia Lua aqui.

Fortis Spacematic White

O último concorrente à categoria de melhor Relógio do Quotidiano é um Fortis, o modelo Spacematic White da coleção Cosmonautis da marca suíça.

Este modelo existe em variantes com diferentes braceletes, incluindo uma em aço, mas penso que o representante em Portugal (a SRI) terá submetido esta em particular, com pulseira em pele, para o poder manter abaixo da requerida fasquia dos mil euros: custa 950€.

A partir de uma caixa com 40mm de diâmetro (raro na Fortis, onde a maioria dos relógios têm 42mm), a marca propõe uma máquina equipada com um movimento automático ETA 2836-2 com dia e data às 3h00 - um dos meus layouts preferidos - o mostrador branco luminescente (afterglow verde) no escuro.

A caixa tem resistência à água de 10 atmosferas e o mostrador é protegido com vidro de safira antirreflexo, como aliás em todos os relógios Fortis.

= = = = =











sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Seiko 5 SNK369K1


Vamos começar pelo que há de "errado" neste modelo da extensíssima família Seiko 5: o facto de, ao contrário da esmagadora maioria dos modelos desta gama, este ser um relógio com uma caixa sem as habituais 10 atmosferas (100 m) de resistência à água, mas sim 3 ATM... que é como quem diz, sem resistência à água.

É também um modelo com uma caixa relativamente pequena, de 37mm, para o que é normal nestes relógios, que encontramos com mais frequência com caixas de 40mm ou até mais.

Ficamos então com um relógio bem desenhado, com alguns detalhes interessantes, como é o caso da coroa na posição das 4h00. O mostrador, branco, tem índices nas posições horárias e uma sub-escala de minutos/segundos. Os ponteiros e os índices têm tratamento luminescente. Uma bracelete em aço completa o conjunto.

O preço de referência é de 175€, mas este modelo encontra-se à venda na Amazon Espanha por menos de 95€.