21 de outubro de 2020

Frederique Constant Classics Gents Quartz FC-225GT5B6

 


Aqui há uns anos havia um modelo da marca sul-coreana Hyundai que era "acusado" de ser parecido com um Ferrari 456. Ao que eu sempre me interroguei se ter um automóvel de 20.000€ inspirado na estética de um modelo de uma marca lendária que custa 10 vezes mais, seria assim uma coisa tão má!

Vem isto a propósito de muitos comentários que leio e vejo (no Youtube) sobre o facto de a marca suíça Frederique Constant ser "a Patek Philippe dos pobres". Bem, tendo em consideração que os Patek Philippe são tão caros que a marca teve de criar uma estratégia de marketing (genial, por sinal) que sugere que são um investimento que será para ficar na família, através das próximas gerações; e que os Frederique Constant também não são assim tão baratos, parece-se que é um tipo de acusação que só fica bem à Frederique Constant, em nada servindo para afetar a sua imagem de marca.

No entanto, e não sendo eu um perito em relojoaria, mas apenas um entusiasta, parece-me claro que esta é uma marca bastante subestimada (o que é excelente para quem anda à procura de relógios B3!), talvez devido ao facto de se tratar de uma empresa bastante jovem, fundada em 1988 e cuja primeira coleção de relógios foi lançada em 1992.

Mas a verdade é que a Frederique Constant nunca teve como objetivo simplesmente ser "mais uma marca", tirando partido do prestígio da sua produção na Suíça. Pelo contrário, muitos dos seus relógios possuem movimentos produzidos "in house", que é sempre um sinal de prestígio e diferenciação no competitivo mundo da relojoaria e que a colocam no campo prestigioso das "manufacturas".

Todo este interlúdio serve para justificar trazer-vos hoje um relógio desta marca, o modelo Classics Gents Quartz com a referência FC-225GT5B6. Vamos começar pelo fim: o preço de referência é de 670€, mas pode ser adquirido na Amazon Espanha por menos de 500€.

As especificações são relativamente modestas, dado ser usado aqui um movimento de quartzo, muito embora tenhamos direito às complicações clássicas do dia e data às 3 horas, tão do meu agrado. A caixa, em aço, tem 40mm de diâmetro; a bracelete é em pele e, claro, o vidro é de safira, neste caso de formato ligeiramente convexo. Existe uma variante com mostrador branco que é também muito bonita.  

O mostrador é efetivamente muito bem conseguido e, quanto a mim, é o que distingue este relógio de outros muito mais baratos, com a sua decoração "Clou de Paris" e índices metálicos aplicados em todas as posições horárias.

Cerca de 500 euros por um relógio de quartzo? Sim. Mas não é um relógio de quartzo qualquer: é um Frederique Constant! ;-) 





14 de outubro de 2020

Tissot Couturier Automatic Small Second T0354283605100

 


Já há algum tempo que não trazia um Tissot aqui ao blog. Apresento-vos o modelo Couturier Automatic com a referência T0354283605100. Este é um dress watch original, com um mostrador em que a exibição das horas/minutos, dos segundos e da data surgem descentrados mas, ainda assim, resultando num layout elegante. 

A caixa, em aço com plaqué em ouro, tem 39mm de diâmetro (na foto, sem qualquer elemento de referência, parece maior), fundo em vidro para observação do movimento e resistência à água até 100 metros. Este relógio, como todos os Tissot, tem mostrador protegido por vidro de safira.  

O movimento usado é o ETA 2825-2, mecânico automático, modificado de forma a que a janela da data seja exibida na posição pouco habitual das 9 horas.

Existem variantes deste modelo com caixa em aço e mostrador branco e também preto, ambos muito bonitos também. Contudo, e ao contrário do que é meu hábito, penso que esta versão com caixa dourada é a que acaba por resultar melhor tendo em consideração o facto de estarmos perante um dress watch.

Não tenho o preço de referência para este relógio, que tanto surge na Internet com valores em torno dos 300 dólares, como pode subir até quase aos mil! Na Amazon UK (mas sem possibilidade de envio para Portugal), está à venda por 340 libras

    

7 de outubro de 2020

Seiko Neo Classic Perpetual Chronograph SPC133

 




Na maioria dos casos, gosto de vos trazer aqui relógios que não só me agradam, como eu próprio me imaginaria a comprar. No entanto, desta vez, resolvi abrir uma exceção, visto que acho que este poderá ser um relógio interessante para muitos leitores do blog, mesmo que não seja algo que me interessasse adquirir.

Não porque não goste particularmente do relógio (embora, sinceramente, haja pormenores que não me agradam), mas porque é demasiado grande para o meu pulso: 45mm sem contar com a coroa.

Vamos ao que interessa. Este Seiko é um cronógrafo interessante uma vez que conjuga a complicação de cronógrafo com a de alarme, segundo fuso horário e, ainda, um calendário perpétuo (isto é, indica corretamente a data nos meses com 30 e 31 dias, bem como a de fevereiro, mesmo em anos bissextos) -- e fá-lo de forma que considero relativamente elegante, mesmo tendo em atenção as já referidas dimensões avantajadas da caixa. Esta tem uma resistência à água de 100 metros e o mostrador está protegido por vidro mineral endurecido (hardlex).

Todas estas complicações são indicadas de forma analógica, através de diferentes ponteiros e sub-mostradores, e há ainda uma escala taquimétrica no interior do mostrador. O facto de isto ser concretizado com um resultado que, apesar de tudo, não é demasiado busy, constitui por si só um enorme feito de design.

O que menos me agrada no desenho do relógio, mas que provavelmente será o que agradará a outros entusiastas, é o tipo de fonte escolhida para os numerais nas posições horárias, que conferem ao relógio um estilo que "não é carne, nem é peixe", entre o clássico, o moderno, o desportivo e o dressy sem ser nenhuma dessas coisas. Mas provavelmente sou só eu...
 
Até porque, no final, não nos podemos queixar: o que temos é um relógio de quartzo repleto de funcionalidades, produzido por uma empresa com fortes tradições relojoeiras e cujo preço é inferior a 180€, já com portes para Portugal! 

30 de setembro de 2020

Citizen Calandrier BU2023-04E

 


Depois de um cronógrafo mecânico de fabrico chinês, trago-vos hoje outro relógio asiático mas que não podia ser conceptualmente mais diferente: um moderno dress watch multifunções da Citizen com movimento de quartzo alimentado pela luz.

Efetivamente, os três sub-mostradores podem sugerir estarmos na presença de um cronógrafo, mas não. Este é um relógio com calendário multi-funções (daí o nome "calendrier") com uma elegante implementação da leitura analógica no caso dos sub-mostradores às 6 e às 9 horas: os pequenos ponteiros têm duas pontas de comprimento diferente, os quais apontam para os valores dentro de duas escalas concêntricas que ocupam apenas metade das respetivas circunferências.

No caso do sub-mostrador às 6 horas, a indicação é de dia/noite/24 horas; na posição das 9 horas, temos a indicação do dia da semana. O dia do mês fica a cargo do sub-mostrador às 3 horas. Os ponteiros têm tratamento luminescente para visibilidade no escuro.

Além disso, este é também um relógio que indica as "horas do mundo" de forma elegante, através de uma escala interior concêntrica à das horas, com a indicação (em abreviatura de três letras) das cidades  correspondentes aos principais fusos horários, cuja rotação é controlada através da coroa às 4 horas.

Apesar de eu normalmente não gostar de caixas douradas, esta parece-me bastante bonita e, em conjugação com a bracelete de pele castanha, torna o relógio bastante dressy e elegante.

A caixa, com resistência à água até 100 metros, tem um diâmetro de 44mm mas, infelizmente, não temos direito a vidro de safira, apenas a vidro mineral. O preço de referência (site da marca no Reino Unido) é de 269 libras.

23 de setembro de 2020

Seagull 1963

 



Há uma regra não-escrita no mundo dos relógios de preço acessível: se quisermos um cronógrafo que não custe mais de mil euros, terá de ser de quartzo. Claro que há exceções, mas são poucas e o seu preço, podendo ficar abaixo dos 1000€, nunca ficará muito abaixo.

Por isso, o relógio que vos trago hoje ao blog é uma raridade a vários níveis, mas certamente (e sobretudo) em termos da sua relação preço/funcionalidade. Porque este cronógrafo é efetivamente mecânico (mas não automático) e não custa mil euros. Nem 800. Nem 500. Nem 300. E sim, até tem vidro de safira. E tudo por menos de 250€!

Não me vou alargar sobre a história deste relógio, que pode ser consultada aqui, Mas vale a pena lembrar que este modelo é uma reedição do século XXI de um cronógrafo chinês originalmente criado em 1963, apenas um ano depois de eu ter nascido!, e destinado à Força Aérea chinesa.

Existem várias variantes deste modelo, mas esta, com mostrador bege e bracelete tipo NATO castanha, é o que mais me agrada. Cada modelo tem também variantes com vidro acrílico ou vidro em safira, mas este é o que tem vidro de safira que, de resto, não encarece o relógio em mais do que 10 ou 20€...

O movimento usado é tudo menos tosco. Bem pelo contrário, já que se trata de um mecanismo cronógrafo com roda de colunas, o que oferece uma suavidade de funcionamento superior a máquinas como o lendário ETA 7750 que é tanto do meu agrado. Encontram uma explicação detalhada sobre este movimento neste vídeo.

Este movimento é o Seagull ST19 que funciona a 3 Hz (21.600 bph) e recebe corda manual com reserva de marcha de cerca de 42 horas. Mais impressionante é que este movimento, de relativa complexidade, consegue ser usado numa caixa de proporções bastante modestas, com um diâmetro de 38 mm, o que o torna perfeitamente usável para muitos entusiastas que não gostam de relógios maiores.

O resto, está á vista, sobretudo o desenho espartano mas de elevada legibilidade com um aroma retro absolutamente delicioso. A versão com vidro de safira pode ser adquirida na Amazon Espanha por apenas 239€ + 2,99€ de portes de envio.