quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Citizen Nighthawk ref. CA0295-58E

Citizen Nighthawk

A estética blackout em que todo o mostrador – incluindo ponteiros, índices e numerais – surge em preto e com um mínimo de contraste, não é das que mais gosto. No entanto, de vez em quando lá aparece uma outra implementação desta ideia que me parece mais conseguida. Este cronógrafo Citizen da série Nighthawk é um deles.

Não é um relógio muito barato, tendo em consideração tratar-se de uma máquina com movimento de quartzo (Eco-Drive B612 alimentado a energia solar), mas parece bem construída e com um bom nível de execução. A caixa e a bracelete em aço são totalmente revestidas a PVD negro e o conjunto é resistente à água até 200 metros – coisa pouco frequente num cronógrafo. O vidro é mineral endurecido.

A marca indica na página deste modelo que possui um bisel rotativo unidirecional mas, uma vez que este não parece incluir qualquer escala adicional para controlo do tempo de mergulho, não vislumbro qual a sua eventual utilidade. O sub-mostradores do cronógrafo encontra-se nas posições 6, 9 e 12 com a janela de data às 3h00. A escala é de tipo misto, com numerais nas quatro posições principais e índices nas restantes, e inclui um taquímetro.

O preço de referência, como disse anteriormente, não é dos mais baixos, mas tendo em atenção a marca e a originalidade do relógio, os 420€ pedidos não me parecem excessivos. Além disso, é possível encontrá-lo por valores mais baixos via Amazon. Em Espanha custa 349 euros e na Alemanha encontrei-o por 314€.

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Christopher Ward C5 Malvern Automatic Mk III

Christopher-Ward-C5_Malvern-MkIII

A Christopher Ward continua o seu caminho no sentido de se tornar numa marca de referência do mercado da relojoaria. Tal como a Steinhart e muitas outras “micro marcas”, só vende diretamente através do seu website. Contudo, nunca se contentou em produzir apenas relógios mais ou menos genéricos; pelo contrário, tenho acompanhado com a interesse a sua evolução e a verdade é que a única coisa negativa que tenho a apontar é… o preço crescente das suas criações. Sei que está relacionado com a sua cada vez maior aceitação no mercado, mas a Steinhart pode reivindicar o mesmo e tem sabido (ou querido…) manter-se acessível.

Mesmo assim penso que ainda podemos encontrar na sua cada vez maior gama, relógios que continuam a ser B3, mesmo que não sejam tão baratos com foram no passado. A terceira geração do dress watch C5 Malvern, com movimentos Sellita SW 200-1 é um excelente exemplo do que acabo de escrever.

Um dos pontos que gostaria de referir é a recusa (louvável) da CW em entrar em modas, como é a dos relógios XXL. Este C5 Malvern Automatic MkIII mantém as proporções ideais para um relógio deste género com uma caixa de 39mm (bem no meio da dimensão que considero ideal e que oscila entre os 38 e os 40mm). E, para os que me apontem que o azul do mostrador se pode considerar de alguma forma uma “cor da moda” (embora seja mais correto afirmar que se trata de uma cor cíclica, que ora fica mais ou menos na moda…), este modelo está igualmente disponível com mostrador em preto e em branco/prata.

A execução é, como é apanágio da CW, extremamente cuidada e inclui um acabamento especial do rotor, com o padrão do logo da marca sobre o Colimaçoné original. A caixa tem duplo acabamento polido/escovado e o mostrador possui índice aplicados. Vidro de safira no mostrador e fundo da caixa em vidro para observação do movimento completam o conjunto.

De forma a descansar os compradores através da Internet, a Christopher Ward oferece o que chama de “garantia 60|60”, isto é: 60 dias para poder devolver o relógio e garantia de 60 meses (5 anos) sobre o movimento.

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Steinhart Nav B-Chrono 44

Steinhart-nav.b-chrono44

Já aqui expliquei por diversas vezes que, devido a uma conjugação específica de fatores, a Steinhart constitui efetivamente a minha entrada na relojoaria mais séria. E, apesar de acabar por ter devolvido o único Steinhart que alguma vez adquiri, fiquei até hoje muito impressionado com a marca alemã – desde a qualidade dos seus relógios até à do seu apoio ao cliente (ele vendem apenas através da Internet, no seu próprio website).

Por isso, passo por www.steinhartwatches.de/en de vez em quando, para espreitar se há por lá modelos novos ou máquinas que valha a pena referir aqui no blog. E raramente me arrependo… Smile Em 2013, praticamente no início deste blog, falei do cronógrafo automático Nav B-Chrono II, entretanto descontinuado, e escrevi que era um dos mais baratos cronógrafos do mercado baseados no movimento ETA 7750, o lendário Valjoux.

Mas muita coisa mudou entretanto. Uma delas foi o facto de a ETA ter aumentado substancialmente os preços dos seus movimentos, sendo que o 7750 foi um dos que mais sofreu. Li ainda há pouco tempo que era agora praticamente impossível produzir um cronógrafo de boa qualidade com este movimento por menos de 1.500€.

E o que nos diz a Steinhart? Bem, basta uma rápida pesquisa pelo (renovado) website e encontramos duas versões do Nav B-Chrono, com caixa de 44mm ou de 47mm ao mesmo preço de… 870€! Isto, numa execução belíssima que inclui vidro de safira, fundo em vidro, rotor dourado e decorado e um mostrador com aquele que é, para mim, um dos melhores desenhos alguma vez criados para este movimento, o qual inclui numerais completos nas posições horárias 3, 6 e 9, integrando de forma perfeita os sub-mostradores nessas posições.

Há detalhes que não aprecio tanto (e que me fazem continuar a preferir o meu Junkers a qualquer outro 7750 que tenha visto), como é o caso do formato da coroa e dos poussoirs. Mas, no geral, esta continua a ser uma das melhor maneiras de ter acesso a um relógio com um movimento lendário por (muito) menos do que encontramos na concorrência. Altamente recomendado!

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Seiko Prospex SRPB51K1

A Seiko tem uma longa tradição no campo dos relógios de mergulho e este novo Prospex com a referência SRPB51K1 é um excelente exemplo do melhor que a marca japonesa é capaz de produzir.

Ao contrário de alguns outros dos seus modelos de mergulho, com uma execução mais utilitária e menos elegante, este é um relógio que podemos encarar perfeitamente como algo a usar diariamente, pelo que não admira que a Seiko o tenha proposto como candidato a Relógio do Quotidiano do grande Prémio de Relojoaria promovido pelo Anuário Relógios & Canetas e pelo jornal ECO.

Enquanto a Briston concorre a esta mesma categoria com um relógio que parte de um conceito mais lifestyle para oferecer resistência à água até 200 metros, este modelo foi claramente concebido com a intenção de se assumir como relógio de mergulho.

A caixa de aço tem 43,8mm, o que a deixa já um pouco no limite para quem possua pulsos um pouco mais finos, mas a forma como a bracelete, também em aço, foi integrada contribuem para dar alguma elegância ao conjunto. O mesmo pode ser dito em relação à coroa de rosca, protegida e com acabamento texturado, e ao já referido bisel de controlo do tempo de mergulho, igualmente bem integrado na caixa e com um rebordo apenas levemente dentado para facilitar o seu manuseamento.

A Seiko optou aqui por usar um movimento automático 4R35. Este é igual ao já nosso conhecido NH35A; a Seiko usa a designação 4R35 quando é utilizado nos seus próprios relógios; NH35A é a designação usada quando é integrado em relógios de outros fabricantes.

O mostrador retoma o desenho que também já tem sido usado pela Seiko noutros relógios de mergulho, com índices espessos (e luminescentes) e ponteiros clássicos, com o da horas em forma de seta pronunciada. O vidro do mostrador é mineral, tipo hardlex, semelhante em termos de resistência aos riscos ao K1.

O resultado é um relógio de mergulho equilibrado, pronto a ser usado no dia-a-dia e que pode eventualmente pecar, para alguns utilizadores, pelo seu formato um pouco grande (mas, para outros, poderá até ser o formato perfeito).

Resta o preço. O valor de referência da marca é de 460€, o que não me parece excessivo para o que é aqui oferecido. Contudo, o melhor é que é possível adquiri-lo por bastante menos: encontrei-o por 390€ na Amazon alemã, com envio para Portugal sem custos.

Este relógio é candidato a Relógio do Quotidiano para o Grande Prémio de Relojoaria. O público em geral pode votar aqui.

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Briston Clubmaster Diver


O Briston Clubmaster Diver com a referência 17642.PS.D.1.LVBR é um relógio de mergulho (a caixa possui uma resistência até 200m) com uma estética elegante que lhe permite fazer a ponte entre o relógio desportivo e o dress watch.

Este é mais um candidato a Relógio do Quotidiano do Grande Prémio de Relojoaria do Anuário Relógios & Canetas e do ECO.

Os dois principais fatores que permite a este relógio apresentar-se como um relógio de mergulho para usar todos os dias é o facto de a marca ter optado por um bisel interno de controlo do tempo de mergulho, integrado no mostrador e controlado por uma coroa específica, por oposição à tradicional coroa externa dos relógios deste tipo.

O outro fator é aquele que me dá alguma ambivalência sobre a apresentação global da máquina: a bracelete. A Briston optou por uma bracelete em pele de aspeto vintage que é bonita mas que parece mal integrada na caixa, um pouco "out of character". Não sei se é a largura, face ao tamanho da caixa (que tem 42mm de diâmetro) ou o próprio material, mas é algo que não parece totalmente "certo". Talvez uma bracelete em aço ficasse aqui bem, mas a marca não a propõe sequer por opção (embora haja variantes com bracelete em silicone). Veja-se o que a Bulova fez com o mesmo conceito (relógio estanque a 200m e bisel interior) aqui, e com um resultado claramente mais elegante.

No final, o que mais me preocupa é o preço. Os 520€ pedidos (valor de referência por encomenda a partir do site da empresa) não são um valor excessivo, mas este é um relógio cujo movimento automático não é suíço (é um Seiko NH35A, o que em si mesmo até é uma boa escolha – e frequente – para um relógio de mergulho) e o mostrador é em vidro mineral K1 (uma vez mais, uma escolha frequente para relógios de mergulho).

Onde quero chegar é que o movimento Seiko em vez de um ETA ou Sellita e o vidro K1 no lugar da safira são opções sensatas mas... baratas. E que por isso bem poderiam ter contribuído para um relógio com um preço final mais acessível, tanto mais que é vendido diretamente a partir do site da marca. É que até mesmo via Amazon não o encontrei mais barato

Este modelo é candidato a Relógio do Quotidiano para o Grande Prémio de Relojoaria. O público em geral pode votar aqui.

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Junkers Esvogel F13 6704



Já em 2016 falei da gama Eisvogel F13 da Junkers, mas na ocasião fiz apenas referência os modelos com movimentos de quartzo, com preços da ordem dos 250€. O modelo que vos trago hoje é um automático com a referência 6704 que custa 779€ e que surge a propósito da sua nomeação como "relógio do quotidiano" para o Grande Prémio de Relojoaria 2017 promovido pelo Anuário Relógios & Canetas e pelo jornal ECO.

A estética é idêntica ao do já referido Eisvogel F13 de quartzo (referência 6730), mas com algumas diferenças imediatamente óbvias para além do movimento. A mais óbvia é o sub-mostrador de pequenos segundos descentrado às 7h00 e data às 2h00 nos modelos equipados com o Ronda 6004.D enquanto aqui temos uma disposição mais convencional, com o sub-mostrador de pequenos segundos às 9h00 e a janela de data às 6h00 – uma ligeira alteração face à do movimento de referência, uma vez que o Sellita SW 290-1 que o equipa tem a data às 3h00.

Temos depois outras diferenças. A caixa deste modelo possui o mesmo diâmetro e resistência à água da dos seus irmãos de quartzo (40mm e 5 ATM) mas uma espessura superior (11 em vez de 7mm), necessária para albergar o movimento automático. Além disso, o acabamento é também diferente; temos aqui direito a um mostrador com vidro de safira bem como a um fundo da caixa em vidro para observação do movimento. Além disso, o fundo do mostrador é texturado, o que lhe confere um aspeto de alguma forma mais orgânico e elegante.

Existem 4 variantes da referência 6704. A das fotos que ilustram este post é a 6704-2, com mostrador negro e a única na qual os ponteiros e os numerais possuem tratamento luminescente com superluminova, o que lhe dá um ar um pouco mais desportivo e menos dress watch. As outras variantes são a 6702-1, com mostrador branco e numerais e ponteiros pretos; a 6702-4, também em branco mas com ponteiros e numerais em ouro rosa; e a 6702-5, com a mesma cor nos numerais e ponteiros mas desta vez com o mostrador em preto.

A referência 6702-1 é candidata a Relógio do Quotidiano para o Grande Prémio de Relojoaria. O público em geral pode votar aqui.


domingo, 5 de novembro de 2017

Grande Prémio de Relojoaria 2017

O Grande Prémio de Relojoaria lançado pelo Anuário Relógios e Canetas e pelo jornal ECO não podia estar mais nos antípodas dos relógios B3. Apesar da short list dos nomeados não indicar os preços, há por ali relógios que custam não só mais do que um (bom) automóvel mas até mesmo do que uma (boa) casa!

Apesar de tudo, os promotores tiveram o bom-senso de criar uma categoria, denominada "relógio do quotidiano" (o que os entusiastas apelidam normalmente de "beater watch"), ou seja, uma peça para usar todos os dias sem preocupações.

Neste caso, e no contexto do grande prémio, há dois parâmetros principais a ter em consideração: o relógio terá de ter um movimento mecânico (que pode ou não ser automático) e um preço máximo de 1000 euros.

Os nomeados para "relógio do quotidiano" incluem modelos da Briston, Junkers e Seiko.

Além disso, há ainda um "Prémio do Público" em que qualquer pessoa pode votar em qualquer relógio que tenha sido incluído na short-list. O que significa que os leitores deste blog têm a oportunidade de ajudar a eleger um modelo.... Bom, Bonito e Barato! :-)

O link para a votação online está aqui.


sábado, 4 de novembro de 2017

Meia Lua Watches


Meia Lua Watches é um novo projeto de crowdfunding com a particularidade de ter origem portuguesa.
Infelizmente, porque não tenho tido tempo para dedicar aqui ao blog, só agora vi o email que me enviaram, há um mês, dando conta do lançamento desta iniciativa (nota ao pessoal: por vezes é melhor enviarem uma mensagem via Facebook, através da página deste blog, com o mesmo nome...).

A verdade é que não parece que o projeto, lançado via Indiegogo, tenha ganho tração, muito embora este seja um relógio com um desenho interessante e um preço que o é ainda mais – apenas 179€ para os primeiros apoiantes.
A caixa de 42mm (com resistência a 10 ATM e revestimento PVD negro) e o mostrador têm inspiração aeronáutica; a execução parece ser cuidada, incluindo vidro de safira no mostrador e fundo em vidro para observação do movimento. Este é um (não muito habitual) Miyota 8217, automático, com sub-mostrador de 24 horas às 9h00 e uma janela de data que no movimento de referência surge às 3h00 mas que aqui foi rodado para as 4h30 – uma decisão sobretudo estética mas que resulta bem.
O desenho do mostrador é algo invulgar mas, uma vez mais, as decisões tomadas parecem-me interessantes, sobretudo a forma como foi feita a conjugação entre a escala horária de 12 e de 24 horas.
Espero mesmo que o projeto possa ainda chegar a bom porto, ainda que tenha de ser relançado, porque acho sinceramente que a conceção base do relógio está correta, o desenho é original (sem ser “out there”) e o preço pedido é super-competitivo.