quarta-feira, 29 de maio de 2013

Junkers Dessau 1926 Flatline 6360-4

junkers_6360-4_large_frente-verso-L

A Junkers apresenta o Dessau 1926 Flatline 6360-4, conjugação perfeita entre linhas clássicas num moderno relógio mecânico cuja fiabilidade “Made in Germany” permite oferecer uma garantia vitalícia.
A série Dessau 1926 Flatline é reminiscente da produtiva cooperação entre Hugo Junkers, fundador da marca alemã, e famosos artistas da escola Bauhaus como Marcel Breuer.
Estes relógios de perfil extra-plano criam um excelente equilíbrio no pulso e são perfeitos para usar sob os punhos de uma camisa: a elegância intemporal surge associada a um elevado conforto de utilização. O modelo 6360-4 é um perfeito dress watch baseado num movimento automático calibre 82S5 com 21 rubis capaz de receber também corda manualmente, com carga através da coroa.

A caixa em aço tem 40mm de diâmetro e apenas 12mm de espessura. O mostrador branco-prateado é protegido por vidro mineral endurecido e o fundo da caixa é igualmente em vidro para exibição do movimento mecânico.
A execução do mostrador é particularmente equilibrada, com numerais árabes clássicos nas posições pares (2, 4, 6, 8, 10 e 12 horas), sub-mostrador de segundos descentrado às 4H30 e uma janela para exibição do balanço do movimento às 7H00.

Representada em Portugal pela SRI Lda., a Junkers é uma marca alemã cuja excelência e rigor da sua produção lhe permite oferecer uma garantia vitalícia em todos os seus movimentos, quer se trate de relógios mecânicos (como é o caso deste modelo em particular), quer de quartzo. Ou seja, um Junkers é, efetivamente, um relógio para a vida.

A série Dessau 1926 Flatline da Junkers inclui atualmente um total de oito modelos, com movimentos de quartzo suíços bem como movimentos mecânicos, e todos eles produzidos na Alemanha. O modelo Junkers Dessau 1926 Flatline 6360-4 está já disponível em Portugal com um preço de apenas €288.

Mais informações em www.sri.pt e em facebook.com/Sociedade.de.Relojoaria.Independente.

Fonte: Press-release

terça-feira, 28 de maio de 2013

Orient Sparta EV0N001B

fev0n001b_1[1]
A Orient continua a conseguir surpreender-me com peças mecânicas que conjugam originalidade, beleza e... preço. Uma das últimas gamas a merecer a minha atenção chama-se Sparta (oficialmente, "EV0N Series"). Existem cinco variações, resultado da conjugação de duas cores de mostrador (preto e branco) e braceletes (pele e aço). O modelo EV0N001B que trago hoje é o que oferece mostrador preto e bracelete em aço e é muito bem conseguido. Existe ainda uma variação idêntica mas com amarelo em vez de vermelho no mostrador.
O estilo é de tipo militar e o mostrador é particularmente interessante, contribuindo para o aspeto algo diferente do  relógio: no interior temos dupla numeração concêntrica para horas e minutos, uma janela às 6H00 para indicação de dia do mês e uma janela em arco que se estende praticamente das 9H00 às 3H00 para o dia da semana. No exterior temos um bisel que não é apenas decorativo mas funcional, com rotação unidirecional.
A Orient sugere desta forma que o relógio pode ser usado dentro de água, indicando resistência até 100 metros e estanquicidade adicional através da coroa de rosca, embora eu não arrisque a molhar seriamente nada abaixo da resistência até 200 metros...
A caixa em aço tem um diâmetro de 42mm e proteção a cargo de vidro mineral. O movimento automático é produzido pela própria Orient. Mas deixei o melhor para o fim: o preço de referência é de apenas 280 dólares, podendo ser encontrado online por menos de € 200.
Há uma excelente análise independente aqui e um vídeo aqui.

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Seiko Premier Double Retrograde Chronograph

spc067p2-1É raro aqui mostrar relógios cujos mostradores utilizem numerais romanos, porque não são muito do meu agrado. Mas não há regra sem exceção e este Seiko Premier é uma honrosa exceção (até porque todos os modelos Premier têm este tipo de numeração).
O termo “Double Retrogade” refere-se aos indicadores às 12H00 e 6H00 e que não são de movimento contínuo a 360º – o movimento “retrógado” significa que uma vez chegado ao final do seu curso, o ponteiro volta ao início. Existem três variações deste modelo, sendo a referência SPC067P2 o que possui bracelete em pele – os outros possuem braceletes em aço.
O relógio mede lapsos de tempo com uma precisão de 1/5 de segundo, exibindo os resultados nos dois mostradores retrógados. O mostrador às 12H00 conta o tempo até 10 minutos; o mostrador às 6H00 faz a contagem até um máximo de 100 minutos.
A caixa em aço tem um diâmetro de 43mm e resistência à água até 100 metros, sendo o mostrador protegido por vidro de safira. O movimento é um Calibre Seiko 7T85. O preço de referência é de £400. A Seiko é representada em Portugal pela Certora.

terça-feira, 21 de maio de 2013

Citizen Perpetual Chrono A-T AT4000-02E

81pyFdPyvqL__SL1500_Os cronógrafos ficaram extremamente populares a partir do final dos anos 80, com o advento dos movimentos de quartzo, que tornam este tipo de relógio acessível – ainda hoje, os cronógrafos mecânicos mantêm-se numa gama de preços  fora do que o comum dos mortais considera como “acessível”.
Marcas japonesas como a Seiko e a Citizen – mas também suíças como a Tissot – muito têm contribuído para a popularidade deste tipo de relógio, contando com dezenas de modelos nas suas gamas.
A possibilidade de dotar os movimentos de quartzo de imensas complicações sem com isso encarecer o relógio em demasia leva por vezes a exageros que não me agradam, resultando em modelos com mostradores “over the top”.
Mas não é o caso deste cronógrafo da Citizen. Quem desenhou o mostrador soube criar um equilíbrio razoável entre a quantidade de funções e de informação a dar ao utilizador e o aspeto geral do relógio. Este inclui funcionalidades de cronógrafo, mas também dia e data com calendário perpétuo, alarme e até indicador de reserva (carga da bateria) – embora esta última seja praticamente irrelevante, tendo em consideração que se trata de um movimento Eco-Drive, alimentado pela luz. A designação “A-T” significa “Atomic Time”: o relógio é acertado automaticamente a partir de sinais de rádio provenientes de relógios atómicos em todo o mundo.
A caixa parece maior do que é, com uns razoáveis 42mm de diâmetro e a execução inclui vidro de safira e resistência à água até 100 metros. O preço de referência para o mercado britânico é de £300 (com bracelete em pele), o que significa que na prática deverá ser possível encontrá-lo à venda por cerca de €300.

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Timex Linear Chronograph

Timex%20LinearA Timex vai apresentar novos modelos da gama Linear Chronograph no London Watch Show, a realizar entre os próximos dias 2 e 3 de Julho, em Londres.
Trata-se de uma interessante variação sobre a gama Intelligent Quartz da marca, que utiliza indicadores lineares (que dão o nome ao relógio) em vez dos tradicionais ponteiros circulares ou semi-circulares.
De acordo com o site WatchPro, o relógio incorpora um segundo fuso horário e um movimento cronógrafo de quatro horas que utiliza motores de movimento bidirecional para indicar os minutos numa linha vertical às 9H00. O preço deste relógio irá variar entre £150 e £200, consoante o nível de acabamento e materiais usados. Alguns dos modelos serão lançados já em Julho enquanto outros surgirão apenas em Setembro.




quinta-feira, 16 de maio de 2013

Alpina Aviation AL-280B4S6

al-280b4s6-1

Alpina é uma marca suíça cujas origens remontam ao final do século XIX, tendo sido fundada em 1888 por Gottlieb Hauser.

Os relógios da marca são bons, bonitos mas não propriamente baratos, sendo difícil encontrar modelos da marca com preços abaixo dos mil euros. Este modelo, um invulgar relógio tipo piloto com segundos descentrados e “big date” às 6H00, é uma honrosa exceção – encontrámo-lo por £710 online (segundo o site da marca, não existe distribuidor em Portugal).

A caixa de 44m em aço é protegida por vidro de safira, o que seria expectável a este preço, e a bracelete é de crocodilo. O fabricante garante estanquicidade até 10 atmosferas (100 metros).

No entanto, este é um relógio “Swiss Made” com movimento de quartzo e não mecânico – e é essa a razão para o considerar como um tanto caro. Trata-se claramente de uma daquelas situações em que estamos a comprar um pouco mais do que apenas um relógio. Pelo preço, é um pedaço da tradição relojoeira suíça que estamos a colocar no pulso.

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Comparação entre movimentos suíços e chineses

IMG_9031-1024x768Em 2005 fui convidado por uma marca de eletrónica de consumo japonesa a visitar uma das suas fábricas na China. A visita, que incluiu também uma passagem pelo Japão, foi muito esclarecedora no sentido de perceber que “Made in China” não significa sempre o mesmo.
Há fábricas chinesas que fabricam produtos sem marca (e sem grandes preocupações de qualidade) e que depois vendem para marcas ocidentais que se limitam a colocar etiquetas com os seus logótipos; há fábricas chinesas que fabricam projetos ocidentais sob encomenda e que são obrigadas pelas marcas que as contratam a (mais ou menos) rigorosos controlos de qualidade; há empresas chinesas que apostam na sua própria marca e qualidade dos seus produtos; e há empresas ocidentais e japonesas que se limitam a usar o território chinês para lá construir uma fábrica, tirando partido dos baixos custos da mão-de-obra mas retendo todo o controlo sobre as instalações, produção, qualidade, etc.
É por isso que falarmos de um “movimento chinês” não é necessariamente uma coisa má. Contudo, enquanto que relativamente a um “movimento suíço” temos uma garantia de qualidade, no que diz respeito à proveniência chinesa essa garantia não existe – a qualidade pode estar lá, mas dificilmente o saberemos.
Vem isto a propósito de um interessante artigo que li aqui e que compara o popular movimento suíço ETA 2824-2 com dois clones de origem chinesa: um Sea-Gull ST2130 e um Peacock SL3000.
A conclusão do autor, que desmontou todos os movimentos e os analisou ao microscópio (literalmente) é a de que os movimentos chineses até funcionam bem – não fossem eles cópias conformes a um dos movimentos suíços mais usados do mundo. O problema, como quase sempre acontece, está nos detalhes: nos movimentos chineses encontrou fibras e lascas de pele – o que indica terem sido montados à mão num ambiente de atmosfera não controlada –, marcas de chaves de parafusos que resvalaram, óleo mal aplicado e até pedaços de material remanescente do processo de produção.
Segundo o autor, em circunstâncias normais (isto é, se houvesse controlo de qualidade, que aparentemente não há) pelo menos um dos movimentos analisados nunca teria visto a luz do dia e seria deitado para o lixo. Mas é precisamente o facto de ter chegado ao canal de comercialização que faz a diferença e que nos alerta para os perigos e problemas de adquirir um relógio baseado num movimento chinês: quando as coisas correm mal, correm mesmo muito mal.
É um artigo a ter em conta para se perceber porque é que um ETA custa cerca de 5 vezes mais do que um movimento clonado feito algures no Extremo Oriente.

terça-feira, 14 de maio de 2013

Stührling Emperor's Grandeur 127A.3315C2

81JZFlM0pNL__SL1500_Quando é que um “relógio suíço” não é um relógio suíço? Boa pergunta. A resposta não é simples, tanto mais que acaba de ser aprovada uma emenda legislativa que obriga a que haja um mínimo de 60% de incorporação suíça para que um relógio possa (legalmente) ostentar a cobiçada menção de “Swiss Made”.

E estou convencido que terão sido marcas como a Stührling a obrigar a esta revisão de regras. A marca em si remonta século XIX, mas a sua história é a de tantas outras: desde há muito que faliu e foi “ressuscitada” em 1999.

Isto é, de resto, assumido no próprio website da marca, mas os mais desatentos poderão na verdade achar que estamos perante algo tão incrível como um unicórnio voador: relógios suíços de alta qualidade a baixíssimo preço. O que, à semelhança dos unicórnios voadores, sabemos que não existe.

Tal como acontece com a Parnis, marca de que ainda ontem falámos, não há vergonha alguma em assumir que os nossos relógios têm movimentos de origem chinesa. A vergonha (neste caso, para o possuidor do relógio) é garantir que a origem é suíça quando na realidade não é.

Não sou relojoeiro e nunca abri um Stührling, pelo que não posso garantir a veracidade do que estou a afirmar. De resto, uma pesquisa na Web junto dos principais fóruns de entusiastas de relógios será bem mais elucidativa. Mas o que não posso deixar é de chamar a atenção para relógios como este que trago aqui hoje: movimento automático “esqueletizado” e decorado, mostrador e fundo em vidro sintético, duplo fuso horário, indicador dia/noite, bracelete em pele com fecho tipo borboleta. O preço desta maravilha da relojoaria: cerca de €300! Tudo isto, por esse preço e… Swiss Made? Desculpem, mas não acredito em unicórnios – muito menos nos que voam.

Num site como este, onde se dá ênfase a relógios “bons, bonitos e baratos”, seria incontornável falar da Stührling. Para muitos entusiastas poderá ser a única forma de possuírem um relógio como sonham a um preço que não ousavam sonhar. Não tenho nada contra, mas é preciso perceber o que é que se está a comprar. E um relógio suíço não é com certeza.

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Parnis Chrono II Black

Parnis chrono[4][1]anteriormente falei da Parnis a propósito de um relógio mecânico a menos de €60. Agora, o pretexto é um cronógrafo tipo piloto com dia e data às 3H00, mas com movimento de quartzo, igualmente acessível.
Confesso que entre um relógio chinês mecânico de proveniência incerta e outro relógio chinês de proveniência incerta mas de quartzo, prefiro o segundo: aquilo que pode correr mal num movimento mecânico mal produzido é muito mais do que num movimento de quartzo! De qualquer maneira, o que este Parnis tem em comum com aquele de que falei anteriormente é que… é igualmente muito bonito. A caixa de 42mm apresenta um excelente equilíbrio e os mostrador possui também algarismos e marcações muito bem proporcionados. De acordo com o website Aviation Time, onde o encontrei à venda por apenas €113 (!), este modelo em particular tem acabamento negro em PVD, pulseira em pele (embora na foto pareça ser uma pulseira de nylon, a julgar pela textura), vidro mineral e fundo de rosca. Um modelo idêntico mas com caixa em aço normal fica por menos de €100.
Tal como comentei em Janeiro sobre o Parnis mecânico, não será certamente um relógio para a vida e, quando avariar, o mais provável é ir para o lixo. Mas pelo preço…

sábado, 11 de maio de 2013

Dicionário de Relojoaria – Digital

LED_watch_,promotion_watch_,digital_watch«Do latim, digitalis, referente a dedos. Que diz respeito aos algarismos de 0 a 9. Em relojoaria, a leitura do tempo pode fazer-se de forma analógica ou digital. Na primeira, os ponteiros ou outros dispositivos relacionam o tempo decorrido com um espaço delimitado e essa relação espaço-tempo é intuitiva – sabe-se a quantidade de tempo que passou, o tempo que é, o tempo que falta. Na segunda, as indicações de tempo ou outras fazem-se através de dígitos (números) ou outros sinais, que aparecem em janelas, sendo menos natural a relação espaço-tempo e mais difícil relacionar o tempo que passou ou o tempo que falta, mas tem-se leitura direta e concisa do tempo que é. Há quem defina a leitura digital como sendo “aos saltos”, em contraponto com a analógica, que seria contínua. Assim sendo, alguns puristas defendem que mesmo os relógios de mostrador analógico têm leitura digital, pois os ponteiros não avançam em contínuo mas em pequenos e quase sempre impercetíveis saltos (essa observação pode, porém, fazer-se claramente no ponteiro dos segundos).» – in Dicionário de Relojoaria, de Fernando Correia de Oliveira. Reproduzido com autorização do autor.

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Jacob Jensen Chronograph 32600

Tal como a Danish Designs também a Jacob Jensen é uma empresa dinamarquesa que preza o design como principal valor, oferecendo uma interessante gama de relógios de desenho depurado.
A empresa foi criada em 1958 como estúdio de design e, além da linha de relógios, possui sobretudo uma grande tradição na área do design industrial, designadamente nos produtos de eletrónica de consumo, entre outros - uma amostra da sua extensa gama pode ser encontrada em www.jacob-jensen-store.com.
No que diz respeito à relojoaria, a Jacob Jensen oferece já uma grande gama de modelos, de que este cronógrafo é um excelente exemplo.
Com um preço muito competitivo de €329, este modelo possui uma caixa em titânio com 37mm (relativamente pequeno, no contexto das atuais tendências para relógios acima dos 40mm), vidro de safira e movimento de quartzo suíço de origem Ronda. A bracelete é de borracha.
Existem diversas variações, com diferentes cores de mostrador de caixa e tipo de bracelete.
Não é o meu estilo de relógio, mas é extremamente elegante e considero-o decididamente bom, bonito e barato! A Jacob Jansen é distribuída em Portugal pela Lumenie.

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Christopher Ward C11 MSL MK1 Chronograph

C11CHRONO_SKK_3_1Não sei o suficiente sobre a história da relojoaria para garantir que foi a Bell & Ross quem popularizou os mostradores com um desenho inspirado nos instrumentos dos aviões mas foi pelo menos a primeira marca que me fez desejar ter um relógio assim.
O Christopher Ward C11 MSL MK1, aqui na sua versão Chronograph (existe uma versão de três ponteiros com movimento automático igualmente interessante) tem a vantagem de reunir os elementos aeronáuticos que me agradam, nomeadamente o mostrador de grande legibilidade e os ponteiros sobredimensionados, sem com isso querer ser uma cópia de modelos mais caros.
Neste caso, o relógio possui movimento de quartzo suíço Ronda que oferece as usuais funcionalidades de cronógrafo com data às 4H00. A caixa em aço é grande (42mm) sem ser demasiado grande e a execução inclui vidro de safira com tratamento anti-reflexo, fundo roscado e resistência à água até 100 metros. Existem quatro variantes do modelo: este, com caixa em aço escovado e bracelete em pele preta; a mesma caixa com bracelete castanha; e mais dois com caixa negra (revestimento PVD) e as mesmas braceletes.
Este modelo custa £350 a partir do site do fabricante. Os modelos em PVD custam mais £49.

terça-feira, 7 de maio de 2013

Victorinox Original 241593

Victorinox

A Victorinox, uma das mais emblemáticas marcas suíças, renovou um dos seus relógios mais interessantes, o Original.

Este modelo foi criado há cerca de 20 anos, segundo critérios de simplicidade, fiabilidade e legibilidade. A sua caixa de 40mm de diâmetro com mostrador protegido por vidro mineral alberga um movimento de quartzo suíço (claro!) Ronda 515, com uma precisão de –10/+20 segundos/mês.

Outras características incluem caixa produzida em fibra de nylon e bisel em alumínio, fundo roscado e resistência à água até 100 metros. Os índices, numerais e ponteiros têm material luminescente para visibilidade noturna.

O mostrador é muito equilibrado, com a sua dupla escala 12/24 horas e grandes numerais às 3H00, 6H00 e 9H00. A janela de data foi colocada às 4H00.

A principal alteração nesta nova versão passa sobretudo pela execução da caixa, disponível apenas em cinza escuro, e pela substituição da pulseira NATO por uma bracelete de duas peças em pele. Existe também uma versão cronógrafo. O preço deste Victorinox Original é de cerca de 300 euros (pesquisa online).