sábado, 16 de março de 2013

Dicionário de Relojoaria – Alternância

grand-seiko-spring-drive-9r65

A partir de hoje irei publicar todos os fins-de-semana o significado de um termo de relojoaria.

A explicação é retirada do Dicionário de Relojoaria, de Fernando Correia de Oliveira, com a autorização do autor.

A ideia não é publicar aqui o conteúdo total do Dicionário em fascículos, mas sim selecionar alguns dos termos que considero mais interessantes e/ou sobre os quais poderão existir mais dúvidas.

De acordo com o Dicionário de Relojoaria, alternância é «o tempo que leva um pêndulo ou outro órgão oscilatório, como o balanço, entre duas posições extremas consecutivas. Se um pêndulo bate ao segundo, efetua uma alternância por segundo. O balanço de um relógio costuma fazer 5 alternância por segundo, ou seja, 18.000 por hora. Uma oscilação consta de duas alternâncias, é o tic-tac.

Geralmente, até mesmo os relojoeiros confundem os dois termos, empregando “oscilação” quando querem dizer “alternância”. Quanto maior for a alternância de um relógio, mais exato ele se torna. Mas há limites, especialmente pelo desgaste provocado às peças móveis como o balanço, a espiral e o escape.

Os relógios despertadores têm, geralmente, mecanismos com 12.000 alternâncias por hora, os cronómetros de marinha 14.400, um relógio de bolso patente Roskopf 17.280, um relógio de bolso normal até 19.800, os relógios de pulso 21.600 e os cronógrafos 36.000. De notar ainda que o número de oscilações por segundo medido em Hertz constitui a frequência. A 21.600 Alternâncias/Hora correspondem 3 Hz, a 28.800 A/H correspondem 4 Hz e a 36.000 A/H (o máximo geralmente usado) correspondem 5 Hz.»

Foto: movimento Seiko 9S85 de 36.000 A/H.

Sem comentários :

Enviar um comentário